Go to Top

Relações Tóxicas

A relação amorosa é fonte de alegria, energia, satisfação e tantas sensações maravilhosas. No entanto, algumas vezes, o paraíso se torna apenas uma bela lembrança no álbum de fotos. Existem relações que se tornam fontes de desvitalização, baixa estima, melancolia e frustração. São as chamadas relações tóxicas!
Todos sabemos que, para viver com alguém é necessário fazer concessões, deixar pra lá tantas coisinhas miúdas, não criar caso, não criar confusão, não desgastar mais o que parece já ter arranhado à tinta.
Só dessa vez, o que é que custa, deixa pra lá, são afirmacões comuns das pessoas que costumam relevar situações de crise. Acontece que, de tanto relevar, de tanto engolir sapos, de tanto evitar confusão, acontece um distanciamento, um esvaziamento na relação, um abismo que foi construído por milhões de momentos não conversados. Quantas relações se tornam permeadas por ofensas verbais ou físicas, por tiranias camufladas, por falta de estímulo, falta de parceria, falta de intimidade, falta de amor.
Por quê alimentar relações vazias? Por quê optar por fechar a boca e manter o coração aberto para mais sofrimento? Por quê se contentar com alguns poucos momentos felizes que, como uma bóia no oceano, mantém a vida a dois na UTI ? Qual é o limite? Quando é que chega a hora de parar de investir em algo sem futuro?
Existem motivos obscuros que fazem com que o sofredor se mantenha neste tipo de relação. Um deles muito comum é a síndrome de Madre Teresa onde a pessoa se sente na obrigação de… acha que tem que passar por isso e que é o seu carma. Aí pesa a carência, a necessidade em agradar os outros, a vitimização.
A autoestima, neste caso, fica pisoteada e a própria vítima faz isso consigo mesma.
Estes abusos são consentidos, ou seja, ninguém é tão vítima assim, só há abuso quando não existem limites. Quando uma pessoa sofre com uma relação tóxica e não se impõe, não se respeita, não exije respeito, está consentindo com o abuso, está autorizando o desrespeito e de certa forma, concordando com ele.
O sofredor se considera capaz de modificar o outro mas existem pessoas que não mudarão nunca e, ninguém muda a pedido. Entender e aceitar que uma relação é tóxica e não vai mudar é extremamente difícil. Pessoas inteligentes e interessantes se envolvem com pessoas tóxicas pois tem baixa estima e morrem de medo de não encontrar nada melhor. Como assim? Qualquer coisa é melhor que uma relação doente, inclusive a solidão. Há que se ter coragem para ser feliz, ousadia para arriscar algo melhor, autoestima para colocar limites e, assim como nossos rins, filtrar o que é bom do que é tóxico e eliminar o lixo.
Desapegar-se do que faz mal e escolher aquilo que realmente acrescenta fará total diferença na qualidade de vida porque, tantas coisas na vida nos são impostas, como nossos pais, irmãos, patrões…. Os parceiros, nós podemos escolher e reescolher. Afinal felicidade não é presente, é escolha!

Silvia Barros
Psicóloga Clínica

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *